Na noite de 9 de novembro de 1989, Andrea estava com a família na sala da pequena casa em que moravam, em Hamburgo, na Alemanha, quando o telefone tocou de repente.

Rea, que tinha apenas 13 anos na época, lembra que, depois de ouvir a notícia da queda do Muro de Berlim, veio um desejo incontrolável de pegar um trem para a capital alemã e viver aquele momento histórico.

Mais tarde, as potências ocidentais decidiram integrar suas respectivas áreas e, em 1949, nasceu a República Federal da Alemanha a oeste, enquanto a leste despontava a RDA, que daria início mais tarde construção de um muro em Berlim, dividindo fisicamente cidade em duas.

Em uma piscina de Reinbek, subúrbio de Hamburgo, a cerca de 40 minutos do centro da cidade, Christine Ludwig, nascida e criada nos arredores de Leipzig, no leste da Alemanha, conta que decidiu se mudar para o oeste cinco anos após a queda do muro.

“As pessoas do leste muitas vezes se sentem como cidadãos de segunda classe”, diz ela BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC. “Após a reunificação, a Alemanha Oriental perdeu sua competitividade no mercado de exportação para os países da Europa Oriental, devido às reformas feitas pelo governo na época que instituiu salários mais altos, sem um incentivo para aumentar a produtividade. Isso fez muitas empresas falirem e, como resultado, os alemães orientais sentiram que não tinham espaço em uma economia de mercado.”

Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica de Munique, cerca de 13,6 milhões de pessoas vivem atualmente no antigo território da República Democrática Alemã, o mesmo número de habitantes que havia há 114 anos.

“Tivemos um começo muito difícil nos anos 1990. 50% das pessoas no leste perderam seus empregos porque o setor em que trabalhavam não foi capaz de competir em uma economia de mercado. Mas o governo pode exibir muitas conquistas, por exemplo, atualmente a população do leste tem uma expectativa de vida mais alta que a da antiga República Democrática.”

Este artigo foi resumido em 87%

Originalmente Publicado: 8 de Novembro de 2019 às 20:13

Fonte: Bbc.com