O assassinato de Qassem Soleimani, um general do Irã, pelos Estados Unidos, foi um ato de um terrorismo estatal e o Irã vai responder de forma proporcional, disse o ministro de Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, em uma entrevista CNN. Zarif disse que o presidente Donald Trump mostrou uma falta de respeito pelas leis internacionais ao ameaçar locais de patrimônio cultural iranianos.

Zarif disse que Trump mostrou ao mundo que ele está “preparado para cometer crimes de guerra, porque atacar centros de patrimônio cultural um crime de guerra”.

Zarif disse que Washington deveria acordar para a realidade que “os EUA não podem permanecer nessa região com as pessoas da região não mais o desejando”.

Presença em reunião da ONU. Os EUA negaram um visto para que Zarif pudesse comparecer a uma reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas em Nova York na quinta-feira, disse uma autoridade norte-americana agência Reuters.

Conforme o “acordo de sede” de 1947 da ONU, normalmente se pede que os EUA permitam o acesso de diplomatas estrangeiros entidade, mas Washington diz que pode negar vistos por razões de “segurança, terrorismo e política externa”.

Em entrevista a uma rede de rádio, Zarif disse que ele protocolou o pedido de vista há 25 dias, e o Departamento de Estado dos EUA respondeu que não tinha tempo suficiente para emitir um visto.

Zarif viajou a Nova York pela última vez em setembro de 2019, para o encontro anual de líderes mundiais na ONU- depois de os EUA o punirem por adotar “a pauta irresponsável do líder supremo do Irã”. As sanções bloquearam quaisquer propriedades ou interesses de Zarif nos EUA, mas ele disse não possuir nenhum.

Este artigo foi resumido em 60%

Originalmente Publicado: 7 de Janeiro de 2020 às 11:16

Fonte: Globo