Uma equipe formada por pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade de Harvard, nos EUA, descobriram o mecanismo que faz com que os cabelos se tornem brancos quando somos expostos a situações de muito estresse.

O time também concluiu que, uma vez os fios mudam de cor, o processo irreversível - o que representa uma má notícia para os grisalhos inconformados de plantão.

Faz parte do processo natural de envelhecimento da maioria de nós padecer com fios brancos, e o mais normal que os cabelos comecem a branquear por volta dos 30 anos - embora não seja raro ver pessoas começando a ficar grisalhas muito antes que isso, especialmente quando a genética não ajuda! No entanto, o estresse também um fator que causa o efeito nas madeixas e, conforme observaram os pesquisadores em seus experimentos, o processo pode se dar em poucas semanas.

Quando iniciaram os testes - com ratinhos de laboratório de pelagem preta -, os cientistas suspeitavam que a perda de cor dos fios poderia ter a ver com uma resposta imunológica em que o próprio organismo passaria a atacar os melanócitos, células responsáveis por produzir a melanina e, portanto, “Dar” cor nossa pele e cabelos.

Além disso, os cientistas conseguiram identificar qual era a proteína responsável por danificar as células-tronco devido ao estresse - a quinasa dependente de ciclina ou CDK - e, da mesma forma que o uso de anti-hipertensivos, a supressão dessa proteína evitou que os ratinhos se tornassem brancos.

O estudo basicamente confirma que o estresse pode afetar a cor dos cabelos e também da pele, além de poder impactar outros tecidos e órgãos de forma negativa.

Mas, mais que desapontar grisalhos que querem aposentar tintas e colorações para os cabelos, a pesquisa deixa claro que ainda temos muito o que descobrir sobre os efeitos do estresse no organismo.

Este artigo foi resumido em 50%

Originalmente Publicado: 23 de Janeiro de 2020 às 22:07

Fonte: Tecmundo.com.br