Roger Stone, ex-assessor e amigo de Donald Trump, ao ser preso em 1º de fevereiro de 2019 - Foto: Pablo Martinez Monsivais/AP Photo.

Os quatro promotores que atuaram no processo que condenou Roger Stone deixaram o caso nesta terça-feira.

Eles alegam que altos funcionários do governo dos Estados Unidos pretendem diminuir a pena imposta a Stone - aliado político e amigo de longa data do presidente Donald Trump.

Ele foi o sexto conselheiro de Trump condenado após o processo sobre o conluio com a Rússia liderado pelo promotor Robert Mueller, caso encerrado ainda em 2019.

Os promotores haviam recomendado uma pena entre sete e nove anos, o que o próprio presidente Trump rejeitou.

“Os crimes de verdade ocorreram do outro lado, e nada aconteceu com eles. Não posso permitir essa falha na Justiça!", tuitou Trump.

Roger Stone, ex-assessor de Trump, chega a corte de Washington nesta terça-feira - Foto: Leah Millis/Reuters.

Este artigo foi resumido em 43%

Originalmente Publicado: 11 de Fevereiro de 2020 às 23:22

Fonte: Globo