O novo status da Secretaria de Assuntos Estratégicos, no Palácio do Planalto, segue o movimento de Jair Bolsonaro para “Arrumar a casa”, segundo integrantes da ala militar.

Como O Antagonista explicou ontem, a troca de Onyx Lorenzoni pelo general Braga Netto serviu para ajustar o “Eixo político” do Planalto.

Com a subordinação direta do almirante Flávio Rocha ao próprio Bolsonaro, o realinhamento fica ainda mais evidente.

Perdem os olavistas, como o assessor Filipe Martins, agora sob tutela militar.

Com exceção de Jorge Oliveira, da cota pessoal de Bolsonaro, todos os ministros com gabinete no Palácio são militares - no caso, generais: Augusto Heleno, Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos, sem contar o vice Hamilton Mourão e o porta-voz Rêgo Barros.

“Todo esse movimento das últimas semanas serviu para o presidente ‘arrumar a casa’, digamos assim. O presidente confia nos militares para isso, por isso esse afastamento da outra ala. As mudanças no Planalto devem dar um tempo, por agora. Pelo menos nesse primeiro e segunda escalão”, garante um assessor.

Este artigo foi resumido em 0%

Originalmente Publicado: 14 de Fevereiro de 2020 às 14:02

Fonte: Oantagonista.com