O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira que vai encaminhar o projeto de reforma administrativa ao Congresso na semana que vem.

O presidente disse que a proposta do governo não vai mexer nos direitos dos atuais servidores.

“Pretendo encaminhar semana que vem, desde que não haja uma marola até lá. Está muito tranquila a reforma; não será mexido o direito dos atuais servidores, inclusive a questão da estabilidade. Quem servidor continua com estabilidade sem problema nenhum. As mudanças são propostas ao Congresso, que valeriam para os futuros servidores. Algumas categorias teriam estabilidade, alguma diferenciação, porque tem que ter, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Forças Armadas, Receita”, disse.

Do outro, o grupo liderado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, defende a urgência das mudanças para reduzir os custos da máquina administrativa e ajudar a equilibrar as contas do governo, que tem nos gastos com pessoal uma das suas maiores despesas.

No início de fevereiro, na volta dos trabalhos legislativos, Maia disse que a reforma administrativa era prioridade do Congresso ao lado da reforma tributária.

Mas, na semana passada, alertou que a reforma só seguiria adiante se o Executivo liderasse o processo.

Com a sinalização de Bolsonaro, Maia disse que vai discutir na Câmara uma proposta de reforma administrativa para os servidores do Legislativo, e defende que o Judiciário siga o mesmo caminho.

Este artigo foi resumido em 47%

Originalmente Publicado: 13 de Fevereiro de 2020 às 23:00

Fonte: Globo