O delegado Rodrigo Bossi, que depôs dois meses antes de morrer, reafirmou Justiça que a ‘Lista de Furnas’ foi declarada falsa por peritos pagos para isso.

Bossi foi responsável pela delação de Marcos Valério.

No depoimento obtido por O Antagonista, o objetivo da manipulação de laudos era esvaziar as denúncias do lobista Nilton Monteiro e impedir que a CPI dos Correios avançasse sobre o esquema em Minas Gerais.

Segundo ele, vários documentos foram forjados.

“Tem um laudo do Instituto de Criminalística que declara a falsidade do documento que havia sido periciado pelo Instituto de Criminalística antes falando que era verdadeiro Lembra lá do caso do Collor. Vem dois peritos e um diz que assim e outro diz que assado. Então, muito fácil pagar um perito. E de fato pagou. E foi R$ 50.000,00.”

Ele cita os peritos Mauro Ricart Ramos e Celso Mauro Del Picchia, mas não avança nos detalhes para não violar a cláusula de confidencialidade do acordo com Valério.

“O Nilton Monteiro, depois que ele entrega e nada se resolve, e ele se vê na verdade como um falsário, ele vai e entrega a lista de furnas. Vai para a Polícia Federal, declara-se que aquela lista verdadeira, autêntica e depois contratam 2 peritos para falar que a perícia falsa.”

Este artigo foi resumido em 0%

Originalmente Publicado: 14 de Fevereiro de 2020 às 19:02

Fonte: Oantagonista.com