A Globo deu duros golpes em suas principais concorrentes de plataforma streaming, como Netflix e Amazon, ao contratar o cineasta José Padilha.

O diretor terá a responsabilidade de levar para o Globoplay uma série ficcional sobre o assassinato de Marielle Franco que já estava negociada com a Amazon, com contrato pronto, de acordo com informações do ‘Notícias da TV’. Segundo a reportagem, a contratação de Padilha foi anunciada nesta sexta-feira em um evento no qual foi exibido o primeiro dos seis episódios de um documentário sobre a vida de Marielle, produzida durante cinco meses pelo Jornalismo da emissora sob total sigilo.

A estreia oficial da série “Marielle, o Documentário” será exibida na Globo no próximo dia 12, entrando no dia seguinte na Globoplay.

“Prometo que será o trabalho mais importante da minha vida. Apesar de dizerem que sou de direita, dei bastante dinheiro para o pessoal , sou velho amigo do Marcelo Freixo, do PSOL, e ele conheceu Marielle no mesmo dia que eu, depois de uma exibição de Ônibus 174, meu primeiro filme da série sobre a violência no Rio. Foi depois do debate que Freixo decidiu levar Marielle para a política”, afirmou Padilha ISTOÉ, um dos poucos veículos de imprensa a participarem do evento nos estúdios Globo no Rio de Janeiro.

“Ela já era uma militante pelos direitos humanos. Hoje ela não só um mito nacional, mas planetário. Por isso, vamos levar a sua história para o mundo inteiro, por meio de parcerias entre a Globoplay e outras distribuidoras internacionais”, completou o cineasta.

Segundo o ‘Notícias da TV’, especula-se que a Globo investiu pesado para derrotar a poderosa Amazon.

Somente para a viúva de Marielle Franco, Mônica Benício, a Globo teria desembolsado R$ 2 milhões.

Este artigo foi resumido em 1%

Originalmente Publicado: 6 de Março de 2020 às 17:23

Fonte: Istoe.com.br