O avanço da pandemia de coronavírus no Brasil está gerando uma onda de golpes digitais, que se aproveitam do momento de incerteza para roubar dados, obter dinheiro e até servir de ponte para assaltos às casas das vítimas.

Além de produtos com alta procura no momento, como o álcool-gel, alguns dos golpes detectados também prometiam assinaturas grátis em serviços de streaming e até pagamento extra para beneficiários do Bolsa Família.

“Páginas de vendas fraudulentas também são frequentes, mas a maioria dos casos agora ocorre por mensagens de informações falsas ou links para sites de informações falsas. As pessoas são mais vulneráveis quando se trata de receber informações no momento”, disse ao Estado Marc Asturias, vice-presidente de Marketing, Comunicação, Relações Públicas e Relações Governamentais da Fortinet.

No primeiro caso, o aplicativo ‘sequestra’ o aparelho: nesse caso, após instalado, o app trava o aparelho e exige um pagamento entre US$ 100 e US$ 250 para o desbloqueio.

Uma outra via explorada por bandidos foi usar falsos sites de ajuda e informações sobre a pandemia para gerar tráfego e assim receber dinheiro de anúncios digitais.

Como se proteger “Existe um esforço geral para compartilhar as informações essenciais sobre o coronavírus. Isso acaba ajudando a ação dos cibercriminosos. Mas uma coisa não muda, o usuário não deve informar seus dados pessoais em sites desconhecidos”, afirma em nota Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky.

Entre as boas práticas para evitar cair em golpes do tipo estão sempre suspeitar de sites e apps compartilhados por e-mail, SMS ou app de mensagem.

Este artigo foi resumido em 62%

Originalmente Publicado: 24 de Março de 2020 às 08:08

Fonte: Terra.com.br