No outro extremo do continente, o chefe de Estado mexicano mantinha aeroportos e fronteiras abertos e pedia população que continuasse com a vida normal, abraçando-se e beijando como sempre.

Na visão de analistas políticos mexicanos, López Obrador acentuou seu perfil populista na crise do coronavírus e, como Bolsonaro, desrespeitou as recomendações de especialistas e até da Organização Mundial da Saúde, tentando construir uma imagem de líder messiânico que salvará a pátria de um colapso econômico.

O México acumula 14 meses consecutivos de queda da atividade econômica e fechou 2019 com retração de 0,1% do PIB. O maior temor do presidente que o país, no qual mais de 50% dos trabalhadores vivem na informalidade, mergulhe numa depressão econômica.

Desde que começou a crise, a popularidade de López Obrador recuou em torno de 20 pontos percentuais e hoje alcança pouco mais de 50% - explicou a professora mexicana.

O presidente diz que o México será salvo pela Igreja e por Deus.

A sensação de que o país avança na direção do desastre sanitário e econômico cresce a cada dia.

López Obrador acredita que adversários políticos querem uma depressão econômica para prejudicá-lo e por isso defendem o isolamento social.

Este artigo foi resumido em 74%

Originalmente Publicado: 26 de Março de 2020 às 10:25

Fonte: Globo