Após ser agredida durante um ato em favor do isolamento social, em frente ao Palácio do Planalto, nesta sexta-feira, a enfermeira Ana Catarine Carneiro, de 31 anos, disse ao G1 que voltou para casa “Triste e com o sentimento de desvalorização”.

“Os profissionais de saúde no mundo estão sendo aplaudidos, e no Brasil a gente apanha.” A confusão ocorreu pela manhã, em Brasília, no Dia do Trabalhador, quando profissionais de saúde faziam um protesto silencioso na Praça dos Três Poderes.

Além das agressões verbais, o vídeo feito por representantes do Sindicato de Enfermeiros mostra que o manifestante chegou a agredir a mulher fisicamente.

“As atitudes tomadas pelos apoiadores do governo vão ao encontro de ideologias fascistas e antidemocráticas. Infelizmente, são embasadas pelas atitudes do Presidente da República que diversas vezes debocha das consequências da pandemia, desconsidera todas as recomendações e diretrizes sobre a importância do isolamento social ao combate do novo coronavírus.”

De acordo com a enfermeira Marcela Vilarim, que participou da homenagem, profissionais de saúde estão virando pacientes por conta do coronavírus.

“A gente precisa de mais do que palmas, nós precisamos de valorização, de respeito, e isso passa pela manutenção do isolamento social.” Ao G1, os organizadores afirmaram que a manifestação também foi “Em defesa do SUS e dos profissionais de enfermagem”.

O que diz o Sindicato dos Enfermeiros do DF. Após o ato, nesta sexta-feira, o Sindicato dos Enfermeiros divulgou nota de repúdio às agressões físicas e verbais contra os profissionais que participaram da manifestação.

Este artigo foi resumido em 72%

Originalmente Publicado: 1 de Maio de 2020 às 17:05

Fonte: Globo