BRASÍLIA - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária informou nesta sexta-feira que vai se reunir nos próximos dias com o fabricante do medicamento remdesivir, que teve o uso autorizado nos Estados Unidos em pacientes com coronavírus em estado grave, para avaliar o interesse e a viabilidade do fornecimento do remédio no Brasil.

“A Anvisa está em contato com a Gilead, empresa que fabrica o remdesivir no exterior, a fim de acompanhar a evolução dos estudos do medicamento para o tratamento da Covid-19. Nesta sexta-feira, a Food and Drug Administration autorizou o uso do medicamento nos Estados Unidos para tratamento da doença em pacientes hospitalizados em estado grave. Nos próximos dias, a Anvisa fará reunião com a fabricante para verificar o interesse e a viabilidade do fornecimento do medicamento no Brasil”, disse a Anvisa, em nota.

“A Gilead tem vários ensaios clínicos em andamento para o remdesivir, com dados iniciais esperados nas próximas semanas. Caso o benefício do medicamento se comprove, a Anvisa possui mecanismos, como anuência de uso em programa assistencial e priorização de registro, para garantir o acesso célere do medicamento população”, acrescentou a Anvisa.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que participa, por meio da Fiocruz, de uma pesquisa comandada pela Organização Mundial da Saúde que estuda a eficácia de diversos medicamentos no combate ao coronavírus, entre eles o Remdesivir.

A pasta afirmou ainda que acompanha diariamente a publicação de pesquisas que avaliam resultados de aplicação de remédios contra a doença e que, ao lado do Ministério da Ciência e Tecnologia, destinou R$ 50 milhões para linhas de pesquisa sobre o tema.

De acordo com a fabricante, será realizada a doação de um milhão de frascos de remdesivir para hospitais nos Estados Unidos.

O antiviral foi desenvolvido para o tratamento contra o ebola.

Este artigo foi resumido em 20%

Originalmente Publicado: 1 de Maio de 2020 às 19:30

Fonte: Globo