Enquanto muitos clubes e entidades esportivas, agora com o apoio do governo federal, trabalham pela volta do futebol mesmo com um cenário crítico no sistema de saúde do país, o Botafogo um dos que se apresenta como voz dissonante - no Rio, o Fluminense também vem sendo cauteloso quanto ao retorno das atividades.

Nesta sexta-feira, o ex-presidente do Botafogo Carlos Augusto Montenegro, atual membro do comitê gestor do futebol, foi contundente: disse que, se houver pressão pela volta de competições enquanto o Brasil viver uma situação como a atual, o time não irá entrar em campo.

Aí chega em casa e lá estão pais, por vezes avós… Por que esta maluquice com o futebol? Vamos então ver uma fila de profissionais de saúde indo tratar doentes, uma fila de gente enterrando parentes e uma fila de jogadores indo treinar? Que isso? Perderam a cabeça - destacou.

Sei que ordem de cima, mas ridículo o Ministério da Saúde falar que pode treinar.

Se vier pressão de CBF, ministério, Federação, para iniciar treino na situação que estamos vivendo, o Botafogo não vai jogar.

O dirigente disse que, além das autoridades de saúde, o clube irá seguir o bom-senso.

Além disso, existe o bom-senso de notar que não se pode ir treinar com 500 mortos por dia.

Este artigo foi resumido em 57%

Originalmente Publicado: 1 de Maio de 2020 às 22:25

Fonte: Globo