Sergio Moro contará neste sábado Polícia Federal os bastidores de 15 meses de desavenças que teve com Jair Bolsonaro em torno de diferentes temas relacionados ao combate corrupção, em especial em relação discordância de ambos sobre o comando da corporação.

Moro tem todo o histórico de seu WhatsApp gravado, antes e depois do ataque hacker de que foi vítima no ano passado, e nele áudios, conversas, links e imagens trocadas com o presidente.

O ex-ministro já começou a organizar o acervo para entregar PF voluntariamente.

Leia Fisiologismo Bolsonaro, análise que mostra como a saída de Moro e a entrada do centrão no governo só escancaram as portas de um governo que foi fisiologista desde sua formação.

Conforme mostrou Bela Megale, Moro será ouvido no fim da manhã deste sábado em Curitiba, provavelmente na Superintendência da PF em Curitiba, por dois delegados do Serviço de Inquéritos Especiais, responsável por investigar pessoas com foro privilegiado - como Bolsonaro.

Também participarão da oitiva três procuradores designados pelo procurador-geral da República Augusto Aras para acompanhar todas as diligências desta investigação: João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Antonio Morimoto e Hebert Reis Mesquita.

Este artigo foi resumido em 11%

Originalmente Publicado: 2 de Maio de 2020 às 00:14

Fonte: Globo