O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou em entrevista GloboNews nesta quarta-feira que a recomendação de uso da cloroquina e da hidroxicloroquina pode aumentar o risco de arritmia cardíaca entre idosos e que o uso do medicamento pode “Piorar a situação” no combate ao novo coronavírus.

Mandetta lembrou que, durante sua gestão no ministério, encontrou pressão para que o uso do medicamento fosse liberado, mesmo sem evidências que comprovem a eficácia do medicamento contra a Covid-19.

Ele disse que o “Conflito” começou quando o presidente Donald Trump disse ter encontrado na cloroquina uma possível saída para a crise.

Entretanto, o ex-ministro lembra que o órgão regulador dos EUA retirou o apoio ao medicamento, mas a pressão persistiu no Brasil.

O ex-ministro afirma que o medicamento, atualmente usado contra malária e lúpus, tem efeitos colaterais e ressaltou que um dos principais a arritmia cardíaca, que pode ser mais forte entre os mais idosos.

Ele lembrou que faltam estudos sobre o uso da cloroquina e que um dos primeiros estudos conduzidos no Brasil apontou complicações em 33% das pessoas internadas.

“Nesse tempo em que o pessoal de direita toma cloroquina e o pessoal de esquerda, Tubaína, quem tem juízo escuta a medicina”, disse o ex-ministro.

Este artigo foi resumido em 33%

Originalmente Publicado: 20 de Maio de 2020 às 17:06

Fonte: Globo