Os médicos acreditam que o novo protocolo do Ministério da Saúde deve atrapalhar um pouco o trabalho no enfrentamento da pandemia.

Na quarta-feira, o governo permitiu a prescrição da cloroquina para casos leves da covid-19, mesmo após diversos estudos terem mostrado que o medicamento não eficaz para tratar a doença.

A gente vem falando isso há muitas semanas e agora vem o protocolo que a gente não concorda.

Michelim, que atende no Hospital Unimed de Caxias do Sul, acredita que não haverá pressão do governo nos hospitais.

“Tem que ficar claro que não foi uma nota técnica, não tornou obrigatório. uma orientação, que as sociedades médicas já disseram que não apoiam”, informou.

O problema que a cloroquina um medicamento barato e não interessa para a indústria.

“Já não um produto fácil de achar na farmácia. um medicamento usado para lúpus, malária e artrite. Cerca de cem mil pessoas no Brasil usam por mês. No início da pandemia, houve um corrida pelo medicamento e faltou. Mas desde que a Anvisa definiu que precisa de receita controlada freou a compra. Esse panorama só vai mudar se os médicos começarem a receitar muito mais.”

Este artigo foi resumido em 50%

Originalmente Publicado: 22 de Maio de 2020 às 05:00

Fonte: Google News