Vamos lá. Diga-se com todas as letras: o crime que Sergio Moro sugeriu - ele nega que o tenha feito - que Jair Bolsonaro cometeu não aparece no vídeo.

O presidente da República confessa que seus decretos sobre armas têm o objetivo de provocar uma guerra civil no Brasil.

Bolsonaro deixou claro que isso o que ele quer.

Imaginem o que teria acontecido se Lula ou Dilma afirmassem isso diante de generais - incluindo um general quatro-estrelas, da ativa, que estava ali: Luiz Eduardo Ramos, que coordenador político do governo.

Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que a garantia que não vai ter um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Que fácil impor uma ditadura! Facílimo! Um bosta de um prefeito faz um bosta de um decreto, algema, e deixa todo mundo dentro de casa.

Aí, que a demonstração nossa, eu peço ao Fernando e ao Moro que, por favor, assine essa portaria hoje que eu quero dar um puta de um recado pra esses bosta! Por que que eu tô armando o povo? Porque eu não quero uma ditadura! E não dá pra segurar mais! Não é? Não dá pra segurar mais.

Queiram ou não, eles se tornam corresponsáveis pela declarada intenção, que vem acompanhada de atos práticos, de levar o país a uma guerra civil, luta armada.

Este artigo foi resumido em 80%

Originalmente Publicado: 22 de Maio de 2020 às 23:19

Fonte: Uol.com.br