O dólar comercial emendou hoje a terceira queda consecutiva e fechou com desvalorização de 0,15%, cotado a R$ 5,574 na venda.

Ao longo do dia as atenções no Brasil se voltaram para a decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, sobre a divulgação da gravação de uma reunião ministerial.

Investigações no STF. Segundo o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro cobrou dos ministros na reunião a troca na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro sob a ameaça de demiti-lo.

Entre as medidas solicitadas estão a busca e apreensão do celular do presidente e de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro, para perícia.

Por outro lado, segundo Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho, “a reunião de Bolsonaro com autoridades do país, incluindo os presidentes da Câmara, do Senado e governadores, com tom mais conciliador adotado por todas as partes, agradou ao mercado ontem e está ajudando o real a terminar a semana com ganhos expressivos”.

A semana chega ao fim com a ameaça de uma intensificação das tensões entre Estados Unidos e China depois que o país asiático agiu para impor nova lei de segurança sobre Hong Kong.

Essas tensões, mais a notícia de que a China desistiu de uma meta de crescimento anual pela primeira vez, ampliam as preocupações sobre as consequências da pandemia de covid-19, também derrubando os preços do petróleo e ampliando a busca por ativos seguros como os títulos do tesouro norte-americano.

Este artigo foi resumido em 48%

Originalmente Publicado: 22 de Maio de 2020 às 17:09

Fonte: Uol.com.br