Salles sugeriu um esforço para “Ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas” de órgãos como o Ministério do Meio Ambiente “Enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto da cobertura de imprensa, porque só se fala em Covid”.

Leia a transcrição do vídeo da reunião citada por Moro como prova de intervenção de Bolsonaro na PF. Izabella Teixeira, ex-ministra do Meio Ambiente do governo Dilma Rousseff, afirmou que sua primeira reação ao vídeo foi de “Estarrecimento”.

O vírus passa pelo esgoto, está no lixo, chega rede de águas que vai para favelas.

Em nota, Salles afirmou: “Sempre defendi desburocratizar e simplificar normas, em todas as áreas, com bom senso e tudo dentro da lei. O emaranhado de regras irracionais atrapalha investimentos, a geração de empregos e, portanto, o desenvolvimento sustentável no Brasil”.

Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, destaca que o ministro pediu para que a Advocacia Geral da União esteja com a “Artilharia preparada” contra eventuais contestações ao governo na Justiça.

um apelo praticamente pessoal, porque Salles sabe que age ilegalmente, tanto assim que a Justiça anulou a anistia que queria dar ao desmatamento na Mata Atlântica - lembra.

“Apesar disso, choca constatar sua intenção de aproveitar a maior tragédia econômica e sanitária em muitas gerações, uma pandemia que já resultou em dezenas de milhares de vidas perdidas, para, em suas palavras, ‘passar a boiada’. A fala do ministro Ricardo Salles expõe sua consciência de que o que está propondo ilegal, e que portanto se ressente da ameaça que a Justiça pode trazer às suas intenções”.

Este artigo foi resumido em 59%

Originalmente Publicado: 22 de Maio de 2020 às 21:14

Fonte: Globo