Um estudo de larga escala publicado nesta sexta-feira no periódico The Lancet demonstrou que o uso da hidroxicloroquina e da cloroquina está relacionado a sérias complicações envolvendo problemas cardíacos que podem levar morte.

Os pesquisadores analisaram 96 mil pacientes diagnosticados com covid-19 em todo mundo e descobriram que aqueles que tomaram os medicamentos possuem 34% mais chances de irem a óbito.

Além disso, o risco de desenvolver doenças cardiovasculares sobre para 137% no caso de pacientes que receberam tratamento com essas substâncias.

Entre as doenças mais recorrente, está a arritmia ventricular - condição que faz o coração bater tão rápido que o oxigênio não chega a outros órgãos, incluindo o cérebro.

“Este o primeiro estudo em larga escala que encontra evidências estatisticamente sólidas de que o tratamento com cloroquina ou hidroxicloroquina não beneficia pacientes com covid-19”, afirma Mandeep Mehra, principal autor do estudo e diretor executivo do Centro de Doenças Cardíacas Avançadas do Hospital da Mulher, em Boston.

Nesse sentido, vale destacar que essas substâncias sequer apresentaram evidências de que causam efeitos positivos em pacientes com covid-19.Apesar disso, o Ministério da Saúde divulgou um novo protocolo nesta quarta-feira que libera o uso de ambos medicamentos em casos mais leves da doença.

O documento recomenda a prescrição de doses diárias de 450 mg de cloroquina com o antibiótico azitromicina assim que surgirem os primeiros sintomas da doença.

Este artigo foi resumido em 24%

Originalmente Publicado: 22 de Maio de 2020 às 20:30

Fonte: Tecmundo.com.br