“E o patamar da Selic tem várias consequências para a economia. Se ela a taxa livre de risco, quando ela está alta, outras operações mais arriscadas vão ter juros maiores ainda. Ela aumenta ou diminui o ‘custo do dinheiro” e por isso que a Selic usada para controlar a inflação.

Ainda que alguns bancos tenham repassado a queda de 0,75 ponto percentual da Selic aos empréstimos, essa redução pode ser ofuscada pelo aumento da inadimplência, que tende a aumentar diante do aumento do desemprego, da redução de renda e da consequente queda na receitas das empresas.

“Se uma empresa já dependia de capital de giro, com a perda da receita na pandemia vai precisar ainda mais. E se o banco vê que ela não consegue pagar nem o crédito em aberto, não concede um novo. Sem dinheiro a empresa fica inadimplente, demite funcionários, que também passam a inadimplir suas dívidas pessoais, em um processo que se retroalimenta”, diz Murilo Viana, especialista em finanças públicas.

Segundo o ICC, o maior peso do crédito no Brasil, com 35,3%, o custo de captação, que a taxa que o banco paga para captar dinheiro, que normalmente fica próxima Selic.

O segundo a inadimplência, que representa 22,4%. Segundo um estudo da consultoria Accenture para a Febraban, entidade que representa os bancos, o custo da inadimplência no Brasil duas vezes maior que o de países emergentes e oito vezes maior que o de países desenvolvidos.

Entre julho de 2019, quando começou o atual ciclo de queda da Selic, e abril deste ano, os juros básicos da economia caíram quase 54%; o empréstimo pessoal caiu apenas 9,33%; e os juros do rotativo do cartão chegaram a subir mais de 4%. A taxa do cheque especial foi a única que caiu mais, mas por causa da nova regra que limitou os juros a 8% ao mês.

No entanto, no mesmo período, a taxa de inadimplência média das linhas de crédito aumentou 12,5%. “Ainda que a captação tenha ficado mais barata para o banco, com a redução da Selic, o custo com inadimplência subiu, diminuindo o spread”, comenta o professor do Insper.

Este artigo foi resumido em 74%

Originalmente Publicado: 18 de Junho de 2020 às 13:09

Fonte: InfoMoney