Nesta segunda-feira, gigantes como Ford, Microsoft e Adidas se uniram crescente lista de companhias que decidiram suspender seus anúncios na plataforma.

Em comunicado, a segunda maior montadora dos EUA informou a suspensão pelos próximos 30 dias de todos os anúncios no Facebook e no Instagram, mas também no YouTube e no Twitter.

A Adidas também decidiu suspender os seus anúncios e os da subsidiária Reebok, globalmente, no Facebook e no Instagram, por todo o mês de julho.

“Conteúdos online racistas, discriminatórios e de ódio não têm lugar na nossa marca nem na socidade”, afirmou uma porta-voz, informando que nos próximos 30 dias a companhia irá “Desenvolver um critério para manter a nós e todos os nossos parceiros responsáveis por criar e manter ambientes seguros”.

Mas diferente de outras companhias, que criticam as políticas do Facebook, a preocupação da empresa fundada por Bill Gates está apenas na colocação de seus anúncios ao lado de determinados conteúdos.

A campanha faz duras críticas ao Facebook, por não adotar políticas claras e eficazes para combater o racismo e o discurso de ódio em suas plataformas.

Em entrevista Bloomberg nesta segunda-feira, Nick Clegg, vice-presidente para relações globais da empresa, defendeu as políticas adotadas pela rede social, afirmando que o Facebook desenvolveu os mais sofisticados sistemas de aprendizado de máquina e inteligência artificial para identificar discurso de ódio e desinformação.

Este artigo foi resumido em 68%

Originalmente Publicado: 29 de Junho de 2020 às 20:21

Fonte: Globo