O executivo André Brandão, do HSBC, foi escolhido pelo governo para presidir o Banco do Brasil no lugar de Rubem Novaes, que anunciou a saída do comando da instituição no dia 24 de julho.

O estatuto social estabelece que o chefe do Banco do Brasil nomeado pelo presidente da República -portanto, cabe a Jair Bolsonaro oficializar a escolha.

Por último, o Banco do Brasil deve informar, em fato relevante o nome de seu novo presidente.

Novaes defendia a escolha de um dos vice-presidentes do próprio banco para o seu lugar, e indicou os nomes de Fábio Barbosa e Mauro Ribeiro Neto em sua carta de demissão apresentada ao ministro Paulo Guedes.

Novaes deixou o banco afirmando que “a companhia precisa de renovação para enfrentar os momentos futuros de muitas inovações no sistema bancário”.

Auxiliares de Guedes afirmam que Novaes, que tem 74 anos, demonstrava cansaço e teria feito o pedido para ficar perto da família no Rio de Janeiro.

Com a ascensão no banco público, o filho do vice passou a ganhar R$ 36,3 mil, o triplo do salário que recebia antes.

Este artigo foi resumido em 69%

Originalmente Publicado: 1 de Agosto de 2020 às 09:55

Fonte: Uol.com.br