A Fiocruz anunciou um entendimento com o laboratório AstraZeneca para produzir, a partir de dezembro, milhões de doses da vacina contra o coronavírus, desenvolvida pela Universidade de Oxford.

O acordo assinado entre a Fundação Oswaldo Cruz, o Ministério da Saúde e o laboratório britânico AstraZeneca, um passo fundamental para garantir a transferência de tecnologia, e assegura que 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 sejam produzidas no Brasil.

“Estamos nos preparando para receber 30 milhões de insumos farmacêuticos para 30 milhões de doses da vacina, entre dezembro e janeiro, e estaremos produzindo essas doses de vacina, e receberemos mais 70 milhões de doses logo a seguir, entre fevereiro e junho de 2021”.

O Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais começou a testar uma vacina em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, e a empresa chinesa Sinovac.

E a farmacêutica americana Pfizer com a empresa alemã Biontech também vão testar uma vacina com apoio do Centro Paulista de Investigação Clínica, e as Obras Sociais Irmã Dulce, de Salvador.

Em 120 anos de existência, a Fiocruz nunca participou do desenvolvimento de uma vacina em tempo tão curto.

Na avaliação dos pesquisadores brasileiros, há bons motivos para acreditar numa vacina produzida no país ainda em 2020.

Este artigo foi resumido em 53%

Originalmente Publicado: 1 de Agosto de 2020 às 20:56

Fonte: Globo