O acordo entre Fiocruz e AstraZeneca para a produção da vacina contra a covid-19 prevê o início da produção em dezembro deste ano e garante total domínio tecnológico para que Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz produtora de imunobiológicos, tenha condições de produzir a vacina de forma independente.

Este acordo define os parâmetros econômicos e tecnológicos para a produção da vacina da covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford já está em fase de estudos clínicos no Brasil e em outros países.

Ele resultado da cooperação entre o governo brasileiro e governo britânico, anunciado em 27 de junho pelo Ministério da Saúde.

Covid-19: vacina de Oxford a mais ‘avançada’ do mundo, diz Fiocruz.

O próximo passo será a assinatura de um acordo de encomenda tecnológica, previsto para a segunda semana de agosto, que garante acesso a 100 milhões de doses do insumo da vacina, das quais 30 milhões de doses entre dezembro e janeiro e 70 milhões ao longo dos dois primeiros trimestres de 2021.

O Ministério da Saúde quer investir R$ 1,8 bilhão para começar a produzir a vacina da farmacêutica AstraZeneca contra o novo coronavírus, cujos testes são conduzidos pela Universidade de Oxford.

Desse valor, R$ 522 milhões irão para a estrutura da unidade da Fiocruz que produz imunobiológicos, a Bio-Manguinhos, e R$ 1,3 bilhão de despesa referente a pagamentos previstos no contrato de encomenda tecnológica.

Este artigo foi resumido em 1%

Originalmente Publicado: 1 de Agosto de 2020 às 22:27

Fonte: R7.com