A marcha foi convocada pelo grupo Querdenken 711, de Stuttgart, e reuniu uma mistura heterogênea de conspiracionistas, simpatizantes de extrema direita, militantes antivacinas e negacionistas do SARS-CoV-2, o coronavírus que provoca a covid-19.Os manifestantes, que em sua maioria vieram de outras regiões do país, rejeitaram as medidas implantadas para tentar deter a propagação do vírus.

O protesto começou pouco antes do meio-dia em frente da Porta de Brandenburgo e percorreu várias ruas centrais de maneira pacífica, mas sem respeitar as medidas de segurança, que recomendam uma distância de 1,5 metro entre as pessoas e o uso de máscaras.

“O Governo nos tratou como animais e causou um dano tremendo economia do país”, disse Herr Schmidt, de 60 anos, que acrescentou que se recusou a usar máscaras desde o início da crise sanitária.

Klaus Reinhardt, estudante de Direito de 23 anos, mostrou-se mais agressivo: “Chegou a hora de se rebelar contra este Governo e contra o sistema que impera no país”, disse com a boca e o nariz descobertos.

Alguns carregavam a bandeira imperial preta, branca e vermelha da Alemanha e portavam cartazes que diziam: “Estamos fazendo barulho porque vocês estão nos roubando a liberdade” e “Pense, não use máscara!”.

“O Governo não quer proteger vidas humanas, mas introduzir o comunismo. Que a regra de distanciamento vá merda!”, disse Bergmann ao jornal Tagespiegel na véspera da manifestação de Berlim.

O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;.

Este artigo foi resumido em 59%

Originalmente Publicado: 1 de Agosto de 2020 às 19:40

Fonte: EL PAÍS