Lava Jato denuncia Lula por lavagem de R$ 4 milhões através de Instituto.

“São centenas de provas, de comunicações a planilhas e comprovantes de pagamento que ligam a doação formal de altos valores a possíveis ilícitos praticados anteriormente. Isso demonstra a complexidade e a verticalidade da análise realizada pela força-tarefa em diversas fases, nesse caso a lavagem de dinheiro, mas sem perder a noção de um contexto mais amplo de práticas”, disse.

Esse valor corresponderia propina repassada mediante doação simulada ao Instituto Lula.O MPF requer, ainda, em relação a Lula e Okamotto, a devolução para a Petrobras, a título de reparação de danos, de valor correspondente propina recebida; e a condenação dos denunciados por danos morais causados população brasileira mediante a prática dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Comunicações mantidas entre os envolvidos época dos fatos, juntadas na denúncia, comprovam, segundo a Lava Jato, que Marcelo comunicou ao então supervisor do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, Hilberto Silva, que Palocci havia avisado que Okamotto entraria em contato para a realização de doação oficial ao Instituto Lula no valor de R$ 4 milhões.

Além disso, o registro do valor repassado pela Odebrecht ainda consta em planilha Excel chamada “Previsão”, localizada em mídia apreendida em poder de Okamotto, então Presidente do Instituto Lula, durante a 24ª fase da operação Lava Jato.A denúncia também foi instruída com cópia de procedimento de fiscalização da Receita Federal que analisou de forma detalhada as atividades do Instituto Lula.

Os advogados alegam que as doações, que a Lava Jato afirma que foram dissimuladas, “Estão devidamente documentadas por meio de recibos emitidos pelo Instituto Lula - que não se confunde com a pessoa do ex-presidente - e foram devidamente contabilizadas”.

“Essa nova investida da Lava Jato contra Lula reforça a necessidade de ser reconhecida a suspeição dos procuradores de Curitiba em relação ao ex-presidente, que está pendente de análise no Supremo Tribunal Federal, assim como a necessidade de ser retomado o julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro - a fim de que os processos abertos pela Lava Jato de Curitiba em relação a Lula sejam anulados”, dizem os advogados.

Este artigo foi resumido em 70%

Originalmente Publicado: 14 de Setembro de 2020 às 16:41

Fonte: Gazetadopovo.com.br