Mostram Castro, quando era vice-governador, em um encontro em que ele teria recebido cerca de R$ 100 mil em propina.

Os investigadores analisaram câmeras de segurança de um shopping na Barra da Tijuca onde funciona a Servlog Rio, que segundo o Ministério Público pagava propina por contratos com a Fundação Leão XIII, do governo do estado, para atendimento oftalmológico e distribuição de óculos para a população de baixa renda.

Bruno Selem calcula “Que Cláudio Castro tenha recebido cerca de R$ 100 mil em espécie, naquela ocasião, pois constatou que este era o valor aproximado que faltava no cofre da empresa após reunião de Flávio e Cláudio”.

Em outro trecho do depoimento, Selem afirma que “Também tem certeza da entrega da propina para Cláudio Castro no dia 29 de julho, pois o próprio Flávio Chadud disse ao depoente, quando estavam presos, na mesma cela em Benfica, que o pagamento havia sido feito na véspera, sendo que o depoente presenciou Flávio e Cláudio Castro sozinhos dentro da sala”.

No relatório da polícia, os investigadores afirmam que, “Da análise cronológica das imagens, possível estabelecer que Bruno Selem esteve no local em que afirmou ter sido realizado pagamento de propina por Flávio a Cláudio Castro, sendo certo que Bruno pode ser visto chegando ao local, aproximadamente seis minutos após Flávio Chadud e Cláudio Castro chegarem ao local e, aproximadamente, uma hora antes de Flávio Chadud e Cláudio Castro deixarem o local, por volta de 10h33”.

O depoimento do delator continua: “Por já ter se beneficiado por pagamento de propina pela Servlog no âmbito municipal e por ter ciência de que havia projetos sendo executados pela Servlog no âmbito estadual, Cláudio Castro puxou a Fundação Leão XIII para a Vice-Governadoria no início de janeiro de 2019, com o objetivo de continuar o recebimento de vantagens indevidas por meio do projeto novo olhar da Servlog”.

Bruno Selem contou ao Ministério Público que “Se encontrou com Cláudio Castro, vice-governador eleito, em 23/12/2018 na praça de alimentação de um shopping, na Barra da Tijuca, para entregar planilhas da Fundação Leão XIII; e que essas planilhas serviriam para que Cláudio Castro pudesse dimensionar o potencial de recebimento de propina nos contratos”.

Este artigo foi resumido em 73%

Originalmente Publicado: 16 de Setembro de 2020 às 18:10

Fonte: Globo