Policiais saíram de MG para prender suspeito de assassinato de padre no RJ - Foto: Polícia Civil / Divulgação.

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu, nesta sexta-feira, o segundo suspeito de envolvimento no assassinato do padre Adriano da Silva Barros, encontrado carbonizado em Manhumirim.

Segundo a Polícia Civil, as investigações apontam que o crime foi cometido para quitar uma dívida de drogas, entre R$ 30 mil e 50 mil, com traficantes do RJ. O segundo suspeito morava no estado e transportava entorpecentes quando foi abordado pela Polícia Militar.

“Em razão desse prejuízo, ele teria vindo aqui para a região de Manhumirim, para levantar esse dinheiro. Foi quando, então, tiveram a ideia de cometer esse assalto”, explicou o delegado, Glaydson de Souza Ferreira.

Carro do padre morto em MG foi encontrado em RJ - Foto: Polícia Civil / Divulgação.

De acordo com a Polícia Civil, foi apurado que os autores teriam atraído o padre para roubar valores e o carro dele.

No início da noite dessa quarta-feira, a polícia foi acionada por um morador do Córrego Pirapetinga, em Manhumirim, ao perceber que havia um fogo no seu terreno e, ao chegar para apagar, encontrou o corpo carbonizado, que também estava com ferimentos causados por faca, segundo a perícia.

Este artigo foi resumido em 59%

Originalmente Publicado: 17 de Outubro de 2020 às 16:38

Fonte: Globo