Felizmente existem mulheres como Débora Diniz.

A antropóloga, colunista do EL PAÍS e ativista feminista reconhecida mundialmente não descansa no processo de dissecar as violências contra as mulheres.

“Ler os diálogos de Robinho no processo judicial como olhar pelo buraco da fechadura para a masculinidade perversa.

Homens entre si exercitando a pedagogia da …..

Este artigo foi resumido em 0%

Originalmente Publicado: 17 de Outubro de 2020 às 19:28

Fonte: EL PAÍS