O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse, neste sábado, que não existe a menor possibilidade de se prorrogar o estado de calamidade.

O decreto que expira no último dia deste ano permitiu ao governo aumentar gastos e não cumprir a meta de resultado de receitas e despesas.

Rodrigo Maia disse que prorrogar o decreto para o governo continuar bancando o auxílio emergencial daria uma sinalização ruim aos investidores - que precisam ter confiança de que o Brasil vá cumprir suas metas fiscais.

O presidente da Câmara disse ainda que ideias criativas geram desastres econômicos e impactam a vida das famílias - e que o país viu isso num passado não tão distante.

Maia disse também que, no curto prazo, mais importante do que criar algum programa de renda mínima corrigir a redação do texto que estabelece o teto de gastos para permitir uma previsibilidade maior das despesas públicas.

Este artigo foi resumido em 1%

Originalmente Publicado: 17 de Outubro de 2020 às 21:14

Fonte: Globo