“Culpados e inocentes dizem a mesma coisa. ‘Sou inocente’. ‘Vou provar na justiça’. Por isso qualquer coisa que eu diga pode soar falsa de cara. Mas preciso falar e com o tempo mostrar minha sinceridade no que vou dizer aqui”, seguiu.

" Estou disposto a reconhecer meus erros, pedir desculpas e, se possível, reparar pessoas que eu tenha de qualquer forma magoado.

Fiz parte de um grupo de homens e mulheres que se orgulha de usar o humor como um instrumento contra o preconceito.

“Mas diante de acusações tão graves que eu de forma alguma cometi, o que eu posso fazer? Negar. Eu coloco disposição toda minha comunicação que tenho arquivada, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado comigo nesses anos. E peço que ouçam as pessoas que trabalharam comigo, que acompanharam muitas situações de perto e que podem falar bastante sobre isso tudo. Peço por favor que apurem a verdade e não apoiem mentiras. Há alguns meses, tive que sair do país para um importante tratamento médico de minha filha e não acreditei quando essa viagem passou a ser divulgada como uma fuga”.

“Qualquer pessoa que me conheça, que tenha convivido minimamente comigo sabe que impossível eu praticar alguma violência, especialmente contra as mulheres. Jamais seria capaz de emparedar alguém força”.

“Até hoje eu fiquei calado porque as acusações não apareceram aqui fora. No compliance da Rede Globo tudo foi apurado e investigado rigorosamente. Saí pela porta da frente da emissora que trabalhei por 17 anos”.

“Sei que num caso desses, ainda mais no momento que vivemos, de tanto ódio, serei culpado até provar o contrário. Então quero que tudo seja colocado às claras, expor a minha inocência e os meus erros. Quero poder pedir desculpas e cobrar responsabilidades. Vou em busca da verdade”, finalizou Marcius Melhem.

Este artigo foi resumido em 26%

Originalmente Publicado: 25 de Outubro de 2020 às 09:47

Fonte: Ig.com.br