David Vélez, Cristina Junqueira e Edward Wible, fundadores do Nubank, divulgaram carta neste domingo afirmando que a fintech errou no tratamento da questão racial e se propõe a adotar “ações concretas e ambiciosas” de transformação nessa área.

Na ocasião, ela disse que a fintech estava investindo em programas de formação voltados a negros, mas afirmou que o nível de exigência para ingressar na empresa alto e que não poderia “Nivelar por baixo”.

Na carta, os fundadores fazem um mea culpa e dizem que a diversidade sempre foi parte da cultura do Nubank.

“O equívoco foi achar que ter o valor por si só bastava”, afirmam.

“O erro foi achar que as coisas vão se resolvendo sozinhas, pela própria comunidade de Nubankers, organicamente, sem esforços contínuos e investimentos da liderança.”

Eles também dizem que irão anunciar uma agenda de ações concretas em novembro e que firmaram parceria com o Instituto Identidades do Brasil “Como primeiro passo nessa jornada de aprendizado e transformação”.

Outra iniciativa que será adotada, segundo os empresários, será dobrar o tamanho da equipe dedicada a recrutar “Profissionais de grupos sub-representados” em todas as posições e níveis da empresa e “Reforçar a busca por lideranças negras”.

Este artigo foi resumido em 19%

Originalmente Publicado: 25 de Outubro de 2020 às 19:48

Fonte: Globo