O líder do governo Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros, defendeu nesta segunda-feira a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte para escrever uma nova Constituição para o Brasil.

A atual Constituição brasileira de 1988.“Nossa Constituição, a Constituição Cidadã… o presidente Sarney já dizia isso quando a sancionou, que ela tornaria o país ingovernável. E o dia chegou. Temos um sistema ingovernável. Estamos há seis anos com déficit fiscal primário, ou seja, gastamos menos do que arrecadamos”, disse o vice líder do governo.

“Eu defendo uma nova Assembleia Nacional Constituinte. Acho que devemos fazer um plebiscito, como fez o Chile, para que possamos refazer a Carta Magna e escrever muitas vezes nela a palavra ‘deveres’, porque nossa Carta só tem direitos. preciso que o cidadão tenha deveres com a nação”, completou Barros.

O líder do governo um crítico da Operação Lava Jato.“Quando eu falo em reformar a Constituição, eu penso também em equilibrar os poderes. O poder fiscalizador ficou muito maior do que os demais e, numa situação incompreensível, de inimputabilidade. Juízes, promotores, fiscais da Receita, agentes do Tribunal de Contas da União, da Controladoria-Geral da União provocam enormes danos com acusações infundadas e nada respondem por isso”, criticou o vice-líder do governo.

“Eu julgo que Constituinte não o caso. Foi um erro que nós cometemos no passado e o próprio Congresso se tornou Constituinte. Acho que melhor uma comissão de notáveis e depois submeter o processo a um plebiscito para aprovação da população”, propôs Mourão época.

“As reformas necessárias construção do desenvolvimento soberano - reforma agrária, política, tributária, bancária, do acesso informação e às comunicações - exigem profundas mudanças das instituições. O PT entende que o processo democrático de promovê-las, sob um governo legitimado pelo voto em eleições livres, a convocação de uma Assembleia Constituinte Soberana”, diz o documento.

Antes disso, durante o período em que governou o Brasil, petistas também haviam defendido uma nova Constituição para o Brasil.

Este artigo foi resumido em 59%

Originalmente Publicado: 26 de Outubro de 2020 às 10:40

Fonte: Gazetadopovo.com.br