Após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas por seguranças no Carrefour, a juíza de custódia Cristiana Cordeiro foi às redes sociais para contar ‘uma história sobre o Carrefour e racismo’.

Segundo Cristiana, “Uma mulher, negra, lésbica, pobre, dependente química”, que foi presa por supostamente furtar comida numa filial do Carrefour, no Rio, contou que foi levada para uma salinha onde foi brutalmente espancada, sodomizada e estuprada com um pedaço de madeira por castigo de ser flagrada roubando.

“Até quando isso vai continuar acontecendo, com a complacência de tantos.é o que me pergunto quando vejo cenas como a do assassinato de João Alberto”, publicou a juíza.

Uma mulher, negra, lésbica, pobre, dependente química, foi presa por supostamente furtar comida numa filial do Carrefour, no Rio.

Ao chegar audiência de custódia, vi que o médico que a examinou 👇. - Cristiana FC November 20, 2020.

Ela sentava ao lado da mulher e dizia “Fale para eles o que aconteceu”.

Não teve coragem de nos contar o mais cruel, e só falou para a psicóloga que a atendeu antes de ser liberada: foi sodomizada, estuprada, como “Lição e castigo”.

Este artigo foi resumido em 44%

Originalmente Publicado: 21 de Novembro de 2020 às 10:59

Fonte: Diariodocentrodomundo.com.br