O presidente Jair Bolsonaro abriu seu discurso na cúpula do G20, neste sábado, criticando a onda de protestos contra o racismo pelo país, após o assassinato de um homem negro por seguranças de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre.

Antes de adentrar aos temas discutidos no encontro, Bolsonaro afirmou que precisaria fazer uma introdução sobre garantia da “Defesa do caráter nacional brasileiro”, por ocasião dos protestos realizados desde sexta-feira.

“Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colocar em seu lugar o conflito, o ressentimento, o ódio e a divisão entre raças, sempre mascarados de ‘luta por igualdade’ ou ‘justiça social’. Tudo em busca de poder”.

Em discurso semelhante ao que havia publicado em redes sociais no fim da noite passada, Bolsonaro disse que defende um povo “Soberano e unido”.

“Como homem e como presidente, enxergo todos com as mesmas cores: verde e amarelo! Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. O que existem são homens bons e homens maus; e são as nossas escolhas e valores que determinarão qual dos dois nós seremos. Aqueles que instigam o povo discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história”, complementou.

Bolsonaro também garantiu que o Brasil está alinhado aos esforços internacionais na busca de vacinas eficazes e seguras contra a covid-19 e adota o tratamento precoce no combate doença.

“Por isso, proponho que nossos ministros debatam e compartilhem melhores práticas sobre como lidar com esse tema, evitando-se cair na armadilha de subsídios e políticas que distorçam o comércio internacional”, finalizou o presidente.

Este artigo foi resumido em 60%

Originalmente Publicado: 21 de Novembro de 2020 às 13:15

Fonte: Globo