A Bolsotini Chocolates, de Flávio Bolsonaro, entra na mira do MP do Rio.

247 - A investigação sobre o esquema fraudulento de Flávio Bolsonaro, que desviava salários de funcionários da Assembleia Legislativa do Rio para sustentar sua família, conhecido como “Rachadinha”, irá se desdobrar este ano para o tema lavagem de dinheiro por meio da loja de chocolates mantida pelo senador em um shopping.

Seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro também entrará no foco do Ministério Público do Rio, informa o jornalista Caio Sartori de O Estado de S.Paulo.

Um deles o uso da loja de chocolates de Flávio na Barra da Tijuca, no Rio, para lavar dinheiro.

Usariam a contabilidade do negócio para esquentar dinheiro desviado dos salários de funcionários nomeados por Flávio.

Como os parlamentares do clã Bolsonaro sempre mantiveram o hábito de trocar assessores entre si, a investigação que envolve Flávio Bolsonaro irá se encontrar com as apurações sobre a prática recorrente de outro Bolsonaro, o vereador Carlos.

Na apuração contra o vereador do Rio, segundo filho do presidente Jair Bolsonaro, que ainda não avançou tanto quanto a do senador, há vários ex-funcionários investigados no processo que apura as “Rachadinhas” na Assembleia.

Este artigo foi resumido em 53%

Originalmente Publicado: 3 de Janeiro de 2021 às 09:31

Fonte: Brasil247.com