Clínicas privadas divulgaram no domingo que estão negociando com a Bharat Biotech para compra de 5 milhões de doses da vacina indiana - Foto: EPA. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária se reuniu nesta segunda-feira com o laboratório Precisa Farmacêutica, representante da empresa indiana Bharat Biotech no Brasil.

Durante a reunião, de acordo com a nota divulgada pela reguladora, alguns pontos foram esclarecidos e a farmacêutica disse que “Ainda vai definir a estratégia para o Brasil”.

Segundo o presidente da ABCVAC, Geraldo Barbosa, a expectativa que o resultado da última fase dos testes saia em janeiro.

A agência brasileira explicou que a empresa ainda não fez nenhum dos pedidos, sendo que o emergencial não pode ser solicitado porque a Covaxin não está em testes no Brasil, um dos pré-requisitos.

“Não foi solicitada autorização de uso emergencial ou registro para sua vacina. A norma do uso emergencial prevê que a vacina esteja em teste do país para ser autorizada, o que não acontece no momento para a vacina da Bharat Biotech. Para empresas que não desenvolveram pesquisa no Brasil, a regularização da vacina deve ser feita por meio do registro definitivo”, informou a Anvisa.

Durante a reunião, a empresa esclareceu que ainda vai definir a estratégia para o Brasil, sendo possível a condução de estudos clínicos fase III ou a solicitação de registro definitivo de forma direta.

A norma do uso emergencial prevê que a vacina esteja em teste do país para ser autorizada, o que não acontece no momento para a vacina da Bharat Biotech.

Este artigo foi resumido em 58%

Originalmente Publicado: 4 de Janeiro de 2021 às 20:22

Fonte: Globo