Fotografias que se movem não são mais coisa dos filmes de Harry Potter.

A startup americana My Heritage, especializada em analisar o histórico familiar dos clientes, lançou uma ferramenta gratuita para o usuário animar fotos antigas do rosto de qualquer pessoa - como aquele retrato do seu bisavô perdido no álbum de família.

Ao contrário do que ocorre com a maioria das utilizações em IA, a ferramenta não fica mais precisa conforme o uso porque a empresa utiliza drivers pré-definidos para dar realismo com gestos e movimentos fixos e assim animar o vídeo por meio de uma única foto enviada.

O recurso foi batizado de Deep Nostalgia, brincadeira com o nome “Deep fake”, que se refere a vídeos criados por inteligência artificial.

Em 2019, a Samsung publicou em artigo científico que havia desenvolvido um software que gerava figuras tridimensionais a partir de imagens estáticas.

“Essa ferramenta pega uma única foto de duas dimensões e aí a inteligência artificial consegue animá-la como se fosse um vídeo da época. Por enquanto, faz movimentos pré-determinados, mas já existe viabilidade tecnológica para fazer movimentos mais diversificados, mas ainda não está implementado nessa plataforma em particular”, explica, Anderson Soares, coordenador do Centro de Excelência em Inteligência Artificial da Universidade Federal de Goiás.

O especialista afirma ainda que, além do foco em vídeos, já existe tecnologia suficiente para reconstituir a voz das pessoas, como fazem plataformas como a brasileira Cybervox, que precisa de um áudio de base para imitar sons e palavras do indivíduo.

Este artigo foi resumido em 33%

Originalmente Publicado: 1 de Março de 2021 às 18:29

Fonte: Google News