BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro questionou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sobre a conveniência da vacinação em jovens com idades entre 12 a 17 anos que não apresentam comorbidades.

Queiroga disse que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou a Pfizer e lembrou que o Ministério da Saúde, no início de agosto, editou uma nota técnica da Secretaria de Enfrentamento Covid-19 que previa a vacina nesses adolescentes com comorbidades e, em uma situação mais adiantada, a vacina nos sem comorbidades.

No entanto, temos informações da literatura mundial e também posições como o sistema de saúde inglês que restringiu a vacina nos adolescentes sem comorbidades.

Então, o que o Ministério da Saúde fez? Na nota técnica 40 da Secovid, retirou os adolescentes sem comorbidades.

Eu levo para ele o meu sentimento, o que eu leio, o que eu vejo, o que chega ao meu conhecimento.

O ministro disse ainda que, ao checar os dados do DataSUS, descobriu que, de agosto até agora, cerca de 3,5 milhões de adolescentes foram vacinados com vacinas diversas, apesar de apenas a Pfizer ser a indicada para esses jovens.

A nova orientação revisa uma diretriz anterior da pasta e restringe a imunização a “Adolescentes de 12 a 17 anos que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade, apesar da autorização pela Anvisa do uso da Vacina Cominarty”.

Este artigo foi resumido em 58%

Originalmente Publicado: 16 de Setembro de 2021 às 22:00

Fonte: Globo