O presidente Jair Bolsonaro se disse contrário a realização do Carnaval em 2022.

“Por mim não teria. Em 2020, quando pouco se sabia sobre o vírus, eu declarei estado de emergência enquanto prefeitos e governadores decidiram fazer o Carnaval e o resultado foi 600 mil mortes. Mas a realização em 2022 de competência dos prefeitos e governadores. Eles que decidem”, disse em entrevista Rádio Sociedade na manhã desta quinta-feira.

A realização do Carnaval em 2022 na cidade de Salvador ainda motivo de debates.

“Nós estamos perto desses percentuais, se essa a recomendação da Fiocruz, se tem essa segurança da Fiocruz, uma sinalização muito positiva para realização do Carnaval. Já passamos da casa de 80% da população-alvo com a segunda dose e 15% da dose de reforço. Esse documento da Fiocruz acaba dando uma segurança para a tomada dessa decisão”, disse o prefeito.

Ele já chegou a dar declarações que caso os prefeitos decidam realizar o Carnaval, o estado não fornecerá o apoio da Polícia Militar.

Bolsonaro disse que a culpa de sua rejeição no estado da “Grande mídia”, que, em sua visão, o ataca e veicula apenas notícias ruins a seu respeito.

“A gente sofre um ataque de parte da grande mídia 24 horas por dia. Não há boa notícia. Isso acontece pois não compramos mais a imprensa como se fazia no passado. Por exemplo, reduzimos em 80% o dinheiro repassado a uma grande emissora de televisão. Para reverter esse quadro de impopularidade, precisamos trabalhar para a população enxergar as ações do nosso governo”, disse Rádio Sociedade.

Este artigo foi resumido em 35%

Originalmente Publicado: 25 de Novembro de 2021 às 11:39

Fonte: Correio24horas.com.br