A saída da lista de presidenciáveis abre caminho para que o União Brasil apoie outro nome da chamada “Terceira via” para enfrentar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder nas pesquisas de intenção de voto, e o atual presidente, Jair Bolsonaro, que aparece em segundo.

Segundo o presidente do PSL, Luciano Bivar, a sigla agora discute apoiar um desses três nomes da terceira via: o ex-ministro Sérgio Moro, do Podemos; o candidato do PSDB, que ainda definirá nas prévias entre os governadores João Doria e Eduardo Leite; ou o MDB, que vai lançar a pré-candidatura da senadora Simone Tebet.

Para o vice-presidente do PSL, o deputado Júnior Bozzella, o apoio do União Brasil ao ex-juiz da Lava Jato o mais provável.

Como forma de abrir espaço para o ex-juiz na legenda, Bozzella organizou na quarta-feira, 24, um jantar em Brasília com Moro e alguns deputados do PSL. Entre os participantes estavam Dayanne Pimentel, Julian Lemos e Felício Laterça.

“Eu quero tirar o Bolsonaro do segundo turno, sou pragmático, quero o melhor para o País, e ganhar do Lula. Só tem um jeito de ganhar do Lula, os partidos estarem unidos em nome de alguém que tenha densidade”, disse Bozella.

Dos 11 nomes até então na disputa, o número deve cair para 9 - contando com apenas um nome do PSDB. Estão ainda no páreo: Lula, Bolsonaro, Moro, Simone, o ex-ministro Ciro Gomes, os senadores Rodrigo Pacheco, Alessandro Vieira, o cientista político Luiz Felipe d’Avila, além de um nome do PSDB. O apoio do União Brasil a alguma dessas candidaturas deve ser um dos mais disputados porque terá em 2022 a maior fatia do Fundo Eleitoral, dinheiro público usado para financiar campanhas.

Com menos de um mês de filiação, ele já busca alianças com outras legendas e tem procurado diálogo tanto com o União Brasil como outras siglas, como Novo, Patriota, Cidadania e Republicanos.

Este artigo foi resumido em 51%

Originalmente Publicado: 25 de Novembro de 2021 às 13:46

Fonte: Google News