Sobrinho de um dos donos da boate Kiss, Willian Renato Machado, 27, disse que teve medo de ir aos velórios de vítimas do incêndio na casa noturna, que matou 242 pessoas e feriu outras 636.

“Até lhe peço desculpas”, respondeu o sobrinho do dono da Kiss para a promotora de Justiça Lúcia Helena Callegari, que atua no júri.

Esposa de dono diz que uso de fogos não foi autorizado.

A esposa de Elissandro Spohr, Nathalia Daronch, 31, disse que o uso de fogos de artifício não era permitido na boate Kiss.

“Não cabe esse tipo dentro de um local, né? O Kiko não gostava que brincassem de Grêmio e Inter lá dentro, para não dar confusão. Era para ser uma festa tranquila, acho que ele julgaria desnecessário uso de artefato em show”, disse a mulher.

“Eu lembro que o Kiko abriu os braços e disse: ‘Meu Deus, saiam, saiam, abram as portas’. Nisso eu não tinha a menor ideia de que era incêndio e eu permaneci ali sentada, achei que fosse briga, confusão. Eu estava entre as duas portas e nisso as pessoas começaram a sair muito dos meus dois lados. Eu comecei a ficar apertada ali, me senti meio mal, fiquei preocupada com a gravidez.”

“Eu tive dificuldade de atravessar a rua por causa de um táxi que estava parado bem ali na frente. Eu atravessei aquele táxi, pulei por cima dele, e me direcionei ao Carrefour. Quando eu me virei para a boate, vi que não era só uma briga”, continuou a esposa de Spohr.

Este artigo foi resumido em 69%

Originalmente Publicado: 6 de Dezembro de 2021 às 15:55

Fonte: Uol.com.br