Um tribunal na Alemanha condenou nesta quinta-feira um ex-coronel sírio prisão perpétua por crimes contra a humanidade.

Os crimes contra a humanidade teriam ocorrido em 2011 e 2012 durante os estágios iniciais da guerra civil na Síria.

Raslan foi apontado por promotores alemães como responsável por supervisionar a “Tortura brutal e sistemática” de pelo menos 4 mil pessoas na prisão do Serviço Geral de Inteligência.

A acusação havia exigido prisão perpétua, pedindo ao tribunal que excluísse qualquer libertação dentro dos primeiros 15 anos devido gravidade dos crimes.

O processo contra Raslan ocorreu sob o princípio da jurisdição universal, permitindo a acusação de possíveis crimes de guerra cometidos por estrangeiros em outros países.

O julgamento no tribunal regional superior de Koblenz, iniciado em abril de 2020, com dois réus, o primeiro no mundo a conectar alegados crimes contra a humanidade com o próprio Estado sírio.

O mais jovem dos réus, um sírio identificado como Eyad A., foi condenado a quatro anos e meio de prisão em fevereiro do ano passado por cumplicidade em um crime contra a humanidade.

Este artigo foi resumido em 58%

Originalmente Publicado: 13 de Janeiro de 2022 às 10:58

Fonte: Globo