A carta-resposta do almirante da reserva, Antônio Barra Torres, reagindo em nome da Anvisa às afrontas do presidente Bolsonaro - que insinuou, levianamente, interesses escusos da entidade na defesa da vacinação infantil -, lavou a alma de um Brasil inteiro.

absolutamente deplorável que um chefe de nação, desde o início, em meio a maior crise sanitária que o mundo já enfrentou, trabalhe abertamente contra a imunização, de todas as formas e em qualquer ocasião.

Já no começo da pandemia, ao protagonizar uma campanha de descaso falando em “Gripezinha”, Bolsonaro deu o tom da aversão que acalentava contra os desígnios da ciência.

Bolsonaro não sabe o que diz, nem mais levado a sério nas bobagens trombeteadas.

Logo ele, que recorre ao tom autoritário a cada situação em que contrariado.

Por equívocos e abusos que tiraram a paciência da maioria, Bolsonaro passou a receber seguidos alertas e enquadramentos da caserna.

Domesticado por militares que não desejam servir de esteio a suas loucuras, ele radicalizou nos últimos tempos para garantir ao menos o apoio dos seguidores habituais.

Este artigo foi resumido em 76%

Originalmente Publicado: 14 de Janeiro de 2022 às 10:30

Fonte: Istoe.com.br