Em conversa com jornalistas hoje, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que a vacinação de crianças contra a covid-19 não uma questão de coletividade, mas de decisão individual dos pais e responsáveis.

Apesar disso, o ministro ressaltou que a vacina infantil da Pfizer, a única liberada no Brasil para esse público, segura.

“Nos EUA, segundo o CDC , aplicaram mais de 8 milhões dessa vacinas pediátricas. Até o momento, a vacina tem perfil de segurança”, afirmou.

A fala de Queiroga sobre coletividade vai contra a posição de entidades mundiais e cientistas, que defendem justamente que a vacinação uma questão coletiva para proteger a si mesmo e os outros ao redor.

Ontem, o ministro da Saúde havia dito que a imunização com segunda e terceira dose a melhor forma de aliviar a pressão no sistema de saúde, causada pela variante ômicron e a nova cepa da gripe.

Questionado hoje se a CoronaVac, do Instituto Butantan em São Paulo, poderá ser incluída como opção para imunizar o público infantil, Queiroga disse ser necessário esperar pela avaliação da Anvisa, mas que todas as vacinas são consideradas, independente “Da farmacêutica”.

“Está com as vacinas do governo brasileiro e do povo brasileiro em mãos fazendo palanque. Acha que isso vai tirá-lo dos 3%. Desista!”, escreveu o ministro, em referência ao percentual de intenção de votos de Doria em pesquisas sobre as eleições presidenciais de 2022.

Este artigo foi resumido em 46%

Originalmente Publicado: 14 de Janeiro de 2022 às 20:31

Fonte: Uol.com.br