Jovens com máscaras para se proteger da Covid-19 caminham em frente Torre Eiffel, em Paris, na França, em 21 de dezembro de 2021 - Foto: Michel Euler/AP. Após várias semanas de debate, o Parlamento francês aprovou definitivamente neste domingo o polêmico projeto de lei que substitui o atual passaporte sanitário por um passe de vacinação válido para maiores de 16 anos.

O passaporte vai impedir que os não vacinados tenham acesso a vários espaços, como trens, restaurantes, teatros e cinemas.

Essa pena será ampliada para cinco anos de prisão e multa de 75.000, cerca de R$ 473.000, se a pessoa implicada na fraude apresentar vários documentos falsificados.

Entretanto, a lei prevê alguma flexibilidade: se o infrator receber a dose de imunizante que falta dentro de 30 dias a partir da data da infração, ele ou ela poderá escapar dessas sentenças.

O projeto de lei aprovado também prevê penalidades para as empresas que não respeitarem as recomendações do governo quanto ao trabalho remoto.

A implantação do passe de vacinação estava prevista para 15 de janeiro, mas foi atrasada devido às divergências de deputados e senadores sobre as versões da norma.

Também contribuíram para a demora na adoção final as declarações do presidente Emmanuel Macron, que disse que desejava incomodar até o fim os não vacinados.

Este artigo foi resumido em 67%

Originalmente Publicado: 16 de Janeiro de 2022 às 20:06

Fonte: Globo