A Polícia Civil concluiu que a psicóloga Marilda Matias Ferreira dos Santos, de 37 anos, - que havia sido encontrada pelo marido amarrada dentro do porta-malas de um carro no ano passado, na cidade de Pouso Alegre, em Minas Gerais - tirou a própria vida e tentou simular homicídio.

O inquérito, encerrado e arquivado junto Justiça, aponta que a causa da morte foi por asfixia e intoxicação, depois da mulher ter se trancado no porta-malas no veículo.

Conforme a polícia, em informações obtidas pelo g1, a psicóloga despistou o marido e amigos com informações, como um passeio de bicicleta que faria e que estava na rua e havia sido assediada por estranhos.

Ela disse que iria para o município de Borda da Mata com uma bicicleta Speed.

Ainda de acordo com a polícia, foram analisados os cadernos, anotações e agendas de Marilda encontradas na casa, que apontariam para uma predisposição para o suicídio e sinais de depressão.

“Todos esses contextos permitiram concluir que ela praticou suicídio, montou esse cenário e algumas fantasias para demonstrar que seria um crime, porque ela não tinha essa coragem de praticar o suicídio perante pacientes e sociedade, então ela queria ocultar e demonstrar que faleceu por homicídio, mas de maneira alguma tentou incriminar o próprio marido. A Justiça já manifestou pelo arquivamento do caso”, disse o delegado Rodrigo Bartoli em entrevista coletiva.

Também possível mandar um e-mail ou falar pelo chat, que podem ser acessados pelo site www.

Este artigo foi resumido em 33%

Originalmente Publicado: 16 de Fevereiro de 2022 às 20:34

Fonte: Correio24horas.com.br