O presidente Jair Bolsonaro voltou a se manifestar sobre o processo eleitoral, em meio às suas tentativas de pressionar o Tribunal Superior Eleitoral, e tornou a mencionar o papel das Forças Armadas no pleito.

“Convidaram as Forças Armadas a participarem do processo eleitoral. Elas fizeram o seu papel, não foram lá para servir de moldura a quem quer que seja. E hoje nos atacam como se as Forças Armadas estivessem interferindo no processo eleitoral. Longe disso.”

Durante o Congresso Brasileiro de Magistrados, em Salvador, o ministro não mencionou diretamente Bolsonaro, que dobrou a aposta em declarações que tentam deslegitimar as eleições.

Cobrou, porém, que “Todos os Poderes digam, sem subterfúgios, que vão respeitar o processo eleitoral de outubro de 2022”.

“E digo, para que não tenham dúvida: para remover a Justiça Eleitoral de suas funções, terão que antes remover este presidente da sua presidência”.

Na quinta-feira 12, Fachin reafirmou que o Brasil terá eleições limpas e que “Ninguém e nada interferirá” no processo.

Horas depois, em transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro criticou Fachin e disse não saber “De onde ele está tirando esse fantasma de que as Forças Armadas querem interferir na Justiça Eleitoral”.

Este artigo foi resumido em 38%

Originalmente Publicado: 13 de Maio de 2022 às 21:05

Fonte: Google News