Nesta sexta-feira, a jornalista Claudia Aguilera, viúva do promotor paraguaio Marcelo Pecci, divulgou uma carta aberta de luto.

Pecci foi assassinado na última terça-feira, na península de Barú, na cidade colombiana de Cartagena das Índias, onde passava a lua de mel com a esposa.

“Minha família e eu estamos submersos em uma profunda dor pelo assassinato do meu esposo Marcelo Pecci e sua perda irreparável. O luto não só para seus familiares, mas para todo o país e para a comunidade internacional. Estes últimos dias tem sido difíceis de superar, então por favor respeitem minha privacidade para poder lidar com a dor e também peço respeito para meus familiares, sem deixar de agradecer a meus companheiros e colegas a empatia que me manifestaram.”

“Reitero que não darei declarações imprensa. Não obstante, seguirei colaborando com as autoridades nacionais e internacionais em todo o processo de investigação, com quem também me sinto agradecida. Valorizo as demonstrações de carinho e apoio, tanto comigo quanto com o bebê que espero. Que a morte do respeitado e admirado Marcelo Daniel Pecci Albertine encontre justiça e fortaleça a luta contra o crime organizado. No que me concerne, honrarei a memória do meu amado esposo a cada dia pelo resto de minha vida e criarei um excelente ser humano e cidadão, como foi seu pai”, diz a carta, divulgada pelo site ABC Color.

Além de Kassem Mohamad Hijazi, outros dois nomes também constam na lista dos investigadores que acompanham o caso.

O brasileiro está em processo de extradição para os Estados Unidos, onde procurado por crimes relacionados lavagem de dinheiro para o financiamento do terrorismo.

Na Penitenciária Emboscada chegaram cela do colombiano Marcelo Raymond Díaz Vélez, que foi preso com mais de 400 quilos de cocaína em Presidente Hayes em 2019.

Este artigo foi resumido em 43%

Originalmente Publicado: 13 de Maio de 2022 às 17:33

Fonte: Uol.com.br